Um ano após morte de Gabriel Diniz em Sergipe, relatórios sobre causa do acidente ainda não foram concluídos

Após um ano e sucessivos pedidos de adiamento de prazo à Justiça, a Polícia Federal ainda não concluiu a investigação sobre o acidente aéreo que vitimou o cantor Gabriel Diniz e os pilotos Linaldo Xavier e Abraão Farias, no município de Estância (SE), quando eles estavam a caminho de Maceió (AL) na aeronave Piper Cherokee PT-KLO, fabricada em 1974, com capacidade para quatro pessoas, e pertencente ao Aeroclube de Alagoas.

Gabriel Diniz — Foto: Fantástico/Rede Globo/Arquivo

De acordo com o delegado da PF em Sergipe, Márcio Alberto Gomes Silva, responsável pelo caso, ainda são aguardados laudos periciais elaborados pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) e pelo Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, que já foram requisitados.

“O Cenipa nos informou que o laudo está em fase final de elaboração e o INC também informou que ainda aguarda a conclusão pelos peritos do trabalho pericial acerca das circunstâncias que gravitaram em torno da queda do avião. Assim que os laudos forem concluídos, a gente vai oportunamente avaliar a eventual responsabilidade criminal dos proprietários da aeronave”, disse o delegado.

Parte da aeronave que caiu com o cantor Gabriel Diniz  — Foto: Marcos Rodrigues/ASN/Divulgação/Arquivo
Parte da aeronave que caiu com o cantor Gabriel Diniz — Foto: Marcos Rodrigues/ASN/Divulgação/Arquivo

“Todas as diligências de campo foram realizadas oportunamente, todas as requisições de perícia também já foram materializadas num momento então que a gente foi noticiado acerca da queda. As oitivas já foram materializadas tanto no estado de Sergipe quanto no estado de Alagoas. E a gente só aguarda para a conclusão efetiva do feito, a conclusão dos laudos periciais”, completou.

Piper Cherokee PT-KLO — Foto: Reprodução/Arquivo
Piper Cherokee PT-KLO — Foto: Reprodução/Arquivo

Aeroclube autuado

Neste mês de maio, a investigação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concluiu que o táxi aéreo era ilegal e autuou o Aeroclube de Alagoas, proprietário da aeronave. Os pilotos que morreram no acidente eram diretores do local. A Anac informou que a aeronave estava registrada na categoria “instrução” e não poderia prestar serviço fora da sua finalidade, incluindo o transporte remunerado de pessoas.

O aeroclube, por sua vez, informou que já apresentou defesa e afirmou que a apuração da Anac não diz respeito ao acidente aéreo, mas se o Aeroclube de Alagoas estaria ou não realizando táxi aéreo clandestino e que “não existe nenhum elemento ou indicação de que o acidente teria sido ‘culpa’ do aeroclube”.

Gabriel Diniz gravou vídeo dentro da aeronave pouco antes de acidente.

‘Ver a cama vazia é terrível’

O pai do artista, Cizinato Diniz, comentou a saudade do filho. Além das memórias que retornam com a data do acidente, Cizinato comenta que as lembranças são mais fortes na casa onde vivem, em João Pessoa.

“O que mais me faz lembrar Gabriel hoje é passar no quarto dele e ver a cama vazia, isso pra gente é terrível”, relata o pai.

*Com G1SE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s